Área do Sindicalizado
FENAPEF
FENAPEF
Nacional 06/jul

Corrida de R$ 463 milhões

Oito dos nove candidatos à Presidência em outubro apresentaram o registro de candidatura no último dia do prazo estabelecido pela Justiça Eleitoral, ontem. Juntos, os candidatos estabeleceram o teto para gastos na campanha de R$ 463,5 milhões, valor quase 40% superior aos números registrados há quatro anos. A candidatura que prevê o orçamento mais pujante é a de José Serra (PSDB), R$ 180 milhões. Em seguida vem a da governista Dilma Rousseff (PT): R$ 157 milhões, seguida de Marina Silva (PV), com R$ 90 milhões.

A candidata do PV foi a primeira a registrar candidatura, na sexta passada. Os números não incluem o valor despendido pelos comitês partidários, que, em 2006, atingiram quase as mesmas cifras dos pleiteantes ao Planalto.

A lista dos candidatos mais ricos, de acordo com as prestações de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), é liderada por candidatos nanicos. José Maria Eymael (PSDC) listou bens no valor de R$ 3,1 milhões, divididos em aplicações financeiras, três casas e terrenos no estado de São Paulo. O segundo mais rico é Plínio Sampaio (PSol), que tem patrimônio avaliado em R$ 2,1 milhões.

Entre os favoritos, Serra tem bens avaliados em R$ 1,4 milhão. A maior parte do dinheiro, R$ 640 mil, está em aplicações financeiras, mas o tucano também acumula salas comerciais e terrenos no litoral paulista. O vice, Índio da Costa (DEM), apresenta patrimônio de valor praticamente idêntico, que inclui aplicações, terreno em Mangaratiba (RJ), barco e um ultraleve.

A candidata petista listou R$ 1 milhão em bens, a maior parte distribuídos entre imóveis em Porto Alegre. Dilma ainda tem em seu nome um veículo modelo Tipo, ano 1996, comprado à época em que ela ainda era secretária de Minas e Energia no Rio Grande do Sul. A candidata também afirma possuir R$ 113 mil em dinheiro. O vice de Dilma, Michel Temer (PMDB), tem patrimônio seis vezes superior, com imóveis em São Paulo e investimentos em ouro.

Os bens listados pelos dois principais candidatos à Presidência e seus respectivos vices não alcançam nem de perto o valor declarado pelo vice de Marina Silva (PV), o empresário Guilherme Leal. O dono da Natura relatou bens no valor de R$ 1,1 bilhão. A cabeça de chapa soma “apenas” R$ 149 mil. O lanterninha na lista de bens dos candidatos ao Planalto é José Maria (PSTU), que afirma possuir em seu nome apenas um veículo Gol Power, ano 2006, avaliado em R$ 16 mil. Entre os nanicos, mas com campanhas caras, José Maria Eymael (PSDC) e Levy Fidelix (PRTB) foram os dois postulantes ao Planalto que previram os gastos mais elevados, de R$ 25 milhões e R$ 10 milhões, respectivamente.

Personalizado O candidato do PSDC foi um dos poucos a entregar o registro da candidatura pessoalmente.

Escoltado pelo vice, Eymael garantiu que aposta em uma vitória impulsionada pelo jingle e a proposta de trazer felicidade à população.

“Nossa candidatura é a que mais cresce pelo Twitter. Na era da internet, o conteúdo vai contar muito e é o que não falta para mim. Nossa determinação é chegar no segundo turno e vencer”, afirmou o confiante Eymael. Candidato do PCB, Ivan Pinheiro foi o único que admitiu não ter chances.

“O objetivo da minha campanha é mais político do que eleitoral.

Não diremos na tevê o que dá voto, mas o que pensamos. Defendemos uma revolução socialista sem violência como a que ocorreu na Bolívia”, declarou.