Fenapef participa de debate no Senado com a presença de Jungmann

7 de março de 2018

O plenário do Senado recebeu, nessa terça-feira (06), representantes do setor de segurança para uma sessão de debates sobre o tema. O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, e o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Antônio Boudens, estiveram entre os presentes e participaram da discussão junto com senadores e ministros envolvidos no setor.

O vice-presidente da Fenapef, Flávio Werneck, e o diretor Parlamentar, Marcos Firme, também estiveram presentes na sessão.

Em seu discurso, Raul Jungmann comentou sobre a importância da nova pasta para o País. “Esse ministério não tem volta. Ele não deixará de existir, independentemente de partidarismo. É preciso entender que o tema é questão democrática”, disse. A intervenção federal no Rio de Janeiro foi citada pelo novo ministro. Segundo ele, é preciso atenção com a segurança. “É um momento de muita apreensão. Não podemos deixar que o Brasil seja o Rio de Janeiro amanhã”, alertou Jungmann.

Já o presidente da Fenapef ressaltou a preocupação da população com a segurança pública e lembrou dos mais de dez projetos convergentes sobre o tema no Congresso. Para Boudens, “a Polícia Federal tem muito o que contribuir nessa discussão.” Ele lembrou a importância de se investir na formação e na carreira dos policiais federais, que lutam por uma carreira única. “Precisamos dar condições mais justas e previsão de crescimento para esses profissionais. Se continuarmos priorizando somente a área de Direito, teremos mais burocracia”, alertou.

Segurança dos policiais

Durante a audiência, outro tema levantado pelos presentes foi a segurança dos profissionais do setor. Em 2016, 437 policiais foram mortos em razão da profissão, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. De acordo com as informações, um policial tem quase 22 vezes mais chance de morrer do que qualquer outro brasileiro.

“A polícia é uma carreira que exige perfil e vontade de fazer algo a mais pelo Brasil, mas é preciso estruturação e dar mais condições para todos os profissionais”, ressaltou Boudens.

Comunicacão Fenapef 



Outras notícias