Boudens defende reestruturação nas carreiras de segurança pública em debate sobre o sistema prisional

4 de Abril de 2017

Alternativas para controlar a crise no sistema penitenciário brasileiro foram discutidas nesta terça-feira (7) durante comissão geral, realizada no Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF). O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais, Luís Boudens representou os policiais federais no debate. Também participaram lideranças de entidades que representam profissionais do setor, especialistas e parlamentares.

O presidente da Fenapef foi bastante aplaudido quando apontou que a reestruturação na carreira dos profissionais de segurança pública é fundamental para que o Brasil melhore não só o seu sistema prisional, mas também supere a crise de segurança pública instalada no País.

“Vamos trabalhar para que a segurança pública valorize os seus profissionais. Para que a nossa carreira esteja inserida em um ambiente de meritocracia. Para que o chefe, o comandante das operações na Polícia, nas prisões brasileiras, seja a pessoa com mais experiência, tempo dedicado ao serviço e capacitação para assumir essa função”, declarou.

A comissão foi requerida pelo deputado Lincoln Portela (PRB-MG), que justificou o pedido pelas recentes rebeliões com mortes ocorridas no início do ano em presídios do Amazonas, Roraima e Rio Grande do Norte. O deputado defende a criação de uma polícia especializada, para atuar nos presídios.

“Eles têm que estar na Constituição como polícia penitenciária, como polícia penal. É fundamental. Nós temos a PEC 308 que trata deste assunto. Eles não podem ficar como carcereiros, vigilantes. Então é preciso que eles sejam colocados na Constituição brasileira como polícia”.

A proposta já foi aprovada em comissão especial e está pronta para ser votada no Plenário da Câmara.



Outras notícias