Câmara de Vereadores de Niterói (RJ) rechaça censura de delegados federais

13 de agosto de 2018

A Câmara Municipal de Niterói rechaçou, nesta quinta-feira (9), a tentativa de censura contra o vereador e policial federal Sandro Araújo (PPS) por parte da Associação de Delegados da Polícia Federal (ADPF). A entidade de delegados exigia da Câmara a abertura de processo contra o vereador, por uma possível falta de decoro parlamentar, por ele ter criticado a ação da Polícia Federal que resultou o suicídio do reitor da Universidade Federal de Santa Catarina, Luiz Carlos Cancellier de Olivo, em outubro do ano passado.

Além do repúdio à tentativa de censura, Sandro Araújo recebeu apoio de outros vereadores. Paulo Eduardo Gomes (PSOL) foi contundente na defesa do colega, lembrando que atitude da associação dos delegados não passa de censura, e lamentou que a Câmara Municipal ainda tenha instalado a sua Comissão de Ética para tratar ativamente casos como este.

Em seu pronunciamento Sandro Araújo desafiou a ADPF a mostrar que ele tenha proferido ofensas e impropérios contra a instituição ou mesmo contra delegados. “Trata-se de censura e um ataque grotesco à esta Casa por parte de uma entidade privada e classista. Mas não me calarão” – afirmou, ressaltando que continuará com suas críticas sobretudo contra a rotina de assédio moral dentro da Polícia Federal.

O relato, que desagradou a associação de delegados, foi feito em uma rede social: “Minha prece hoje é por Luiz Carlos Cancellier de Olivo. Reitor da UFSC que tirou a própria vida após ser preso de forma INJUSTA, ARBITRÁRIA e EQUIVOCADA pela Polícia Federal. A responsável pelo ERRO CRASSO não foi tocada e segue com sua carreira”, diz um trecho da publicação de Sandro Araújo no Facebook.

*Fenapef presta solidariedade ao vereador*
Em nota oficial de apoio a Sandro Araújo, hoje (9), a Federação Nacional dos Policiais Federais (FENAPEF), entidade que representa mais de 14 mil policiais em todo o Brasil e os 27 sindicatos da categoria, reafirma que o vereador e policial federal apenas “expôs o fato” e usou “de sua liberdade de expressão para criticar a operação que culminou na prisão, de forma injusta e injustificada, e no posterior suicídio do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo”.

Ainda na nota, a FENAPEF informa que “a Câmara Municipal de Niterói receberá a manifestação da Federação Nacional e das entidades sindicais da PF sobre o caso, na qual estará registrada a posição dos policiais federais brasileiros sobre a ocorrência de nova tentativa de perseguição e assédio moral a um policial federal digno, honesto e de grande projeção perante a sociedade”.

VBPRESS



Outras notícias