ÁREA RESTRITA
E-MAIL 
SENHA 

Ameaça
Governo corta ponto e não vai dar aumento



O governo enviou ontem dois duros recados aos servidores públicos. Primeiro: não vai prever aumento de salários na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que está sob análise do Congresso. Segundo: mandou cortar o ponto de todos os grevistas que estão de braços cruzados há três semanas. O Palácio do Planalto assegurou que ainda está disposto a negociar com o funcionalismo, mas, diante da gravidade da crise mundial, que derruba a atividade econômica e contém o crescimento das receitas com impostos, a correção da folha deverá ficar mesmo para 2014, último ano do mandato da presidente Dilma Rousseff.

 

"Vamos continuar com as mesas de negociações, mas está muito difícil ceder aos pleitos dos servidores", disse um graduado assessor de Dilma. Segundo ele, a recomendação da presidente é manter a cautela com os gastos, diante da gravidade do quadro internacional e não esticar a corda para a situação não "desandar". "Com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para ser votada na próxima semana no Congresso, a orientação é não incluir nem deixar passar emendas que aumentem os proventos do funcionalismo", ressaltou.

 

Contraponto

Na avaliação do governo, é preciso que o funcionalismo dê a sua cota de sacrifício, sobretudo porque, desde 2003, o governo vem concedendo reajustes. Por isso, o Palácio pede que os grevistas voltem ao trabalho, de forma que as conversas se deem em um ambiente de maior serenidade. Mas para reforçar que o Planalto não permitirá abusos, os responsáveis pela área de Recursos Humanos do Poder Executivo, Sérgio Mendonça e Ana Lúcia Amorim Brito, encaminharam aos ministérios e autarquias correspondência determinando o corte dos pontos. Os órgãos terão ainda que informar ao Ministério do Planejamento, a cada três dias, a extensão das paralisações e os prejuízos atuais e iminentes para o país.

 

Os números da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) dão uma dimensão da paralisação e do impacto dos aumentos salariais sobre as contas públicas. Segundo a entidade, são 350 mil servidores parados em 23 estados e no Distrito Federal, pertencentes a 26 categorias do Executivo. Eles pedem aumento linear de 22,8%, um custo de R$ 35 bilhões para os Três Poderes.

 

Piora geral

Dia após dia, o governo está sendo surpreendido com números ruins da economia. No início do ano, apesar da gravidade da crise mundial, esperava-se que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceria 4,5%. Agora, a equipe liderada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, já admite um avanço entre 1,5% e 2%. Caso haja sinais de reversão desse quadro, pode ser que, para algumas categorias seja concedido o aumento. A equipe econômica observa o desenrolar da situação no mês de julho e aguarda os números do segundo trimestre para avaliar o quadro. O governo espera que as medidas adotadas nos últimos meses, como a redução de IPI para veículos, comece a estimular a atividade.


Fonte: Correio Braziliense

Efetue Login para ler os Comentários.

     
DENUNCIAR
> CAMPANHAS
> INTEGRAÇÃO FENAPEF
> MAIS LIDAS+
> LEITURA E LAZER
> CONVÊNIOS
Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF
SEPS 712/912 - Bloco 01 - Salas 101 a 107 - Conjunto Pasteur
Fone: (61) 3445-5200 - CEP 70390-125 - Brasília - DF