ÁREA RESTRITA
E-MAIL 
SENHA 

03/08/2012



Contas
TCU vê indícios de superfaturamento em obra do Exército



Passados cinco anos desde o início das obras de transposição do rio São Francisco, ainda está longe o dia em que o empreendimento levará água até a população que sofre com a seca no Semiárido. As irregularidades na realização do projeto, no entanto, são muitas.



O Tribunal de Contas da União (TCU) acaba de realizar uma auditoria nas obras do Eixo Norte da transposição, canal de 402 km, que corta os Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. As obras de aproximação desse eixo, em Cabrobó (PE), foram executadas pelo 2º Batalhão de Engenharia do Exército, contratado pelo Ministério da Integração. Os militares também atuaram da barragem de Tucutu, a 8 km da margem do São Francisco.


O Exército concluiu sua missão em junho, mas deixou para trás um rastro com indícios de irregularidades. A auditoria aponta que foram feitos pagamentos de serviços de escavação e transporte de material em quantidade superior à prevista na última revisão do projeto executivo do empreendimento. As falhas envolvem ainda uso acima do previsto de materiais aplicados em taludes. O superfaturamento é estimado pelo tribunal em mais de R$ 7 milhões. O valor total do repasse feito aos militares no Eixo Norte foi de R$ 143,2 milhões. "Essa irregularidade é decorrente da fiscalização inadequada por parte do Exército, bem como pelo acompanhamento deficiente do órgão repassador dos recursos, o Ministério da Integração Nacional", aponta a auditoria.

As obras em Cabrobó foram realizadas por cerca de 1,8 mil trabalhadores, entre militares e funcionários de empresas particulares contratadas para a execução de alguns serviços. O TCU deu 15 dias de prazo para que o Exército e o ministério apresentem suas explicações. Procurado pelo Valor, o Exército informou que não foi notificado pelo tribunal. Por isso, não poderia comentar o assunto.


Por meio de nota, o Ministério da Integração informou que "está tomando as medidas cabíveis" e que "as orientações, recomendações e determinações dos órgãos de controle - Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria-Geral da União (CGU) - são rigorosamente assimiladas e implementadas em todos os projetos".


A nota afirma ainda que "foram instaurados processos investigativos internos" para apurar as "possíveis irregularidades praticadas nos contratos de supervisão e construção" no lote 1, executado pelos militares. A investigação também foi estendida ao lote 2, em Salgueiro (PE), lote 9, em Floresta (PE) e lote 10 e 11, em Custódia (PE). Em conjunto com a CGU, o ministério também realiza auditoria no lote 6, em Mauriti (CE).


Para Raimundo Carreiro, ministro-relator do processo, a execução das obras do Eixo Norte "segue em ritmo lento e com demasiado atraso no cronograma físico, basicamente devido à demora do Ministério da Integração Nacional em resolver os problemas surgidos durante a sua execução". Carreiro aponta falhas como interferências hidráulicas e elétricas, dificuldades de desapropriação e de autorização para a supressão vegetal e problemas na adequação dos contratos firmados por conta da excessiva mudança do projeto.


A previsão mais atual do custo total da transposição é de R$ 8,2 bilhões, quase o dobro dos R$ 4,7 bilhões previstos em 2007. É a obra mais cara do governo federal financiada com recurso 100% público. A inauguração dos 220 km do Eixo Leste foi planejada para o segundo semestre de 2010. Hoje, a data mais otimista joga esse prazo para dezembro de 2014. No Eixo Norte, o prazo era 2012, mas o cronograma que foi estendido para dezembro de 2015.


O balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), divulgado semana passada, sinaliza que há pelo menos três lotes de obras paralisadas no Eixo Norte, aguardando o desfecho de rescisões contratuais ou o recebimento de obras. Uma série de editais está em fase de publicação para contratar as obras remanescentes. No balanço do PAC 2, a transposição tem o selo "atenção" em relação ao seu prazo de execução.


A condução das obras pelo ministério, segundo o TCU, é "inadequada, ao se observar a incapacidade do órgão para solucionar os problemas decorrentes de licitação com projeto básico deficiente, bem como a demora por parte dos gestores para resolução de interferências responsáveis pelo atraso no desenvolvimento das obras".


Fonte: Valor Econômico

Efetue Login para ler os Comentários.

> CAMPANHAS
> INTEGRAÇÃO FENAPEF
> MAIS LIDAS+
> LEITURA E LAZER
> CONVÊNIOS
     
DENUNCIAR
Federação Nacional dos Policiais Federais - FENAPEF
SEPS 712/912 - Bloco 01 - Salas 101 a 107 - Conjunto Pasteur
Fone: (61) 3445-5200 - CEP 70390-125 - Brasília - DF