Meirelles critica discurso armamentista: ‘Estado deve garantir segurança’

17 de setembro de 2018
Em Brasília, o ex-ministro da Fazenda afirma a policiais federais que, se eleito, aumentará efetivos e investirá na área de inteligência
Durante encontro na Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), em Brasília, o candidato à Presidência pelo MDB, Henrique Meirelles, afirmou, neste sábado (15/9), que o armamento da população não é uma solução para garantir a segurança pública do país. O postulante destacou a importância de uma política de integração entre as polícias, o sistema de inteligência e investigadores no combate ao crime organizado.
“O governo não pode deixar de exercer sua função e transferir à população o papel de se proteger. Não será como ‘você compra uma arma e se vira, porque vamos cuidar de outra coisa’. O Estado brasileiro estará empenhado em garantir a segurança da sociedade. Não desistiremos da função prioritária das polícias”, destacou.
O ex-ministro da Fazenda ressaltou o bom desempenho dos agentes federais no combate à violência e atribuiu à crise econômica e à má gestão o sucateamento da infraestrutura das corporações.
“É fundamental que a economia e o Brasil voltem a crescer. A queda de arrecadação fez com que o Estado parasse de contratar policiais. Existem regiões que, há mais de 10 anos, não contratam um policial.” Se eleito, declarou que, conforme o país for saindo da recessão, investirá em contratação de efetivo, aumento salarial e inovação no setor de inteligência.
No fim do encontro, a Fenapef entregou ao presidenciável uma cartilha com as principais demandas da categoria e sugestões de estratégias para melhorar a eficácia tanto da Polícia Federal quanto das outras equipes de segurança no país.


Outras notícias