PF desarticula quadrilhas de assaltantes de bancos

30 de novembro de 2017

A Polícia Federal, com o apoio da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Paraná (SESP), deflagrou nesta quinta-feira (30/11) a Operação Miguelito, com o objetivo de desarticular organizações criminosas voltadas a práticas de crimes contra agências bancárias.

Cerca de 100 policiais federais cumprem 35 mandados judiciais, sendo 10 mandados de prisão preventiva, 5 mandados de prisão temporária, 2 mandados de condução coercitiva e 18 mandados de busca e apreensão, nas cidades de Londrina, Cambé, Arapongas e Curitiba, no estado do Paraná; Sandovalina e Euclides da Cunha Paulista, em São Paulo; e Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul. Todos os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Maringá/PR.

Investigações nos últimos 18 meses detectaram pelo menos dois grupos responsáveis por ataques a instituições financeiras nas cidades de Marialva, Mandaguaçu, Terra Rica (duas vezes), Porecatu, Itambé e Barbosa Ferraz, no Paraná; e Iepê, Pedrinhas Paulista e Cruzália, no estado de São Paulo, num total de 20 agências bancárias atingidas nos dois estados.

Nas ações criminosas os grupos utilizavam armas de grosso calibre – em sua maioria fuzis – com táticas de realização de diversos disparos durante os delitos, espalhando clima de terror na população de pequenas cidades. Visando impedir a ação policial local, realizavam disparos em direção ao destacamento policial para intimidar qualquer tipo de repressão. Em alguns dos roubos, houve a utilização de reféns como escudos humanos durante os confrontos ou durante as fugas.

Em um desses confrontos, na data de 07/04/17, houve a morte de seis integrantes de um dos grupos em Alvorada do Sul/PR, quando estes retornavam de mais uma ação de explosão de agências bancárias. Ao fugirem pelas águas do Rio Paranapanema, foram interceptados por policiais federais e reagiram à abordagem, culminando nas mortes. Foram apreendidos fuzis, pistolas, coletes balísticos, explosivos e valores subtraídos das agências atacadas.

A operação de hoje vista tirar de circulação os demais integrantes desse grupo criminoso, que no mesmo dia da ação em Cruzália/SP explodiu uma agência bancária em Itambé/PR, bem como outro grupo criminoso, baseado em Curitiba/PR e responsável por ataques a agências bancárias nas cidades de Marialva e Mandaguaçu, ambas no Paraná.

Os criminosos responderão pelos crimes de organização criminosa, roubo agravado, latrocínio (roubo seguido de morte) em sua forma tentada, porte de arma de fogo de calibre restrito e exposição a perigo mediante explosão. Se condenados, poderão ter penas que podem passar dos 30 anos de prisão.

O nome MIGUELITO é referência aos instrumentos compostos de pregos retorcidos e espalhados pelas quadrilhas nas vias de fuga das ações para dificultar perseguições policiais.

 

Fonte: Agência de Notícias da Polícia Federal



Outras notícias