Presidente da Fenapef defende aposentadoria policial em debate na Câmara dos Deputados

11 de maio de 2017

Em audiência pública realizada ontem, 10, para debater a Reforma da Previdência- PEC 287/16, na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados, o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, defendeu a aposentadoria policial e a manutenção da atividade de risco exercida pela categoria, assegurada pela Constituição Federal.

Ao falar do descaso do governo no tratamento da aposentadoria dos profissionais de segurança pública, Boudens disse que a proposta é “um verdadeiro desmanche da segurança pública no Brasil, que tem se tornado o alvo mais fragilizado dessa história”. De acordo com ele, é um absurdo as propostas apresentadas pelo Governo com relação à idade e tempo de contribuição, sem regras de transição, que causará prejuízos à aposentadoria, especialmente das mulheres policiais e pensionistas.

“Quando o governo diz que as mulheres policiais não precisam de um tratamento diferenciado, mas o resto da sociedade sim, é um alerta de que a segurança pública está sendo olhada com desprezo. Sem falar na pensão, que talvez seja o maior absurdo proposto nessa reforma. Viúvas e filhos de profissionais de segurança pública que muitas vezes perdem a vida protegendo a sociedade ficarão desassistidos”, alertou Boudens.

Na ocasião, o presidente da Federação citou o estudo que vem sendo realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) para apontar a expectativa de vida e o ponto de equilíbrio atuarial da previdência do Policial Federal, do Policial Rodoviário Federal e do Policial Civil do Distrito Federal. “Vamos trazer a mais recente pesquisa da FGV sobre a vida dos policiais federais, rodoviários federais e policiais civis do DF. O estudo contém informações alarmantes sobre o acúmulo de estresse e o impacto na saúde desse servidor. Os dados servirão para tentar convencer os governantes a repensar um novo modelo de reforma com relação à segurança pública ”, comentou.

Boudens fez questão de enfatizar que a luta da Fenapef é para combater a PEC em sua integralidade, pois segundo ele, será prejudicial a todos os trabalhadores brasileiros. “Não tem remendo que salve essa PEC. Ela precisa ser refeita e discutida num amplo debate com toda sociedade para entender o real prejuízo que causará para população brasileira”, frisou.
A plenária foi presidida pelo deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG), que abordou os desdobramentos negativos que podem advir da reforma proposta pela PEC 287/2016. Para ele, “a PEC 287 é uma proposta que agride e desconsidera a posição dos policiais em todo o Brasil”.

Estiveram presentes na audiência o diretor parlamentar da Fenapef, Marcus Firme, o presidente do Sinpef/RS, Ubiratan Sanderson e o vice-presidente e diretor de Estratégia da Fenapef, Júlio Cesar, além de parlamentares e representantes de entidades de segurança pública que também palestraram no evento: FENAPRF, ANASPRA, APCF, CNCG, ANERMB, CONAMP, ANPR, AMEBRASIL; FENEME e ABC.

 


Agência Fenapef

Outras notícias